Menu
Fazer uma
doação

Há coral no Mediterrâneo?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Os corais pertencem à grande família de cnidários, que incluem invertebrados marinhos que têm células picadas como medusas, gorgonianos e anêmonas-do-mar.
Os corais não vivem apenas em mares tropicais. Sob o nome de coral, encontramos diferentes espécies, incluindo algumas que vivem no Mediterrâneo. Especialmente o famoso coral vermelho, aquele cujo esqueleto é usado para fazer joias bonitas.

Os corais vivem sozinhos ou em colónias. Distinguimos corais duros (a Escleractinia) que incluem corais de construção de recifes e corais macios que não têm um esqueleto. Ambas as categorias podem ser encontradas no Mediterrâneo.

Coral vermelho

O coral vermelho (rubrum corallium) é reconhecível pela cor vermelha brilhante do seu esqueleto contrastando com os seus pequenos pólipos brancos que ondulam incansavelmente os seus tentáculos.

Encontra-se especificamente no Mar Mediterrâneo e no Atlântico Ocidental (do sul de Portugal a Cabo Verde) onde costuma viver ligado ao teto das grutas ou às quedas. Cresce muito lentamente, alguns milímetros por ano.

É a sua cor brilhante, que mantém o seu brilho fora da água, que fez a sua reputação e lhe valeu a sua utilização no fabrico de joalharia ou na realização de objetos.
Amplamente pescado, com métodos destrutivos, quase desapareceu. A sua pesca é agora regulamentada e acompanhada de perto, mas continua a ser muito cobiçada pelos pescadores.

Drop-offs coraligenos

Estas grandes estruturas são encontradas entre 30 e 100 metros debaixo d’água. Espécies fixas como gorgonianos, esponjas ou corais negros capturam para alimentar as partículas e microrganismos que estão nas correntes. Estes animais que têm calcários, silicosos ou esqueletos participam na construção e consolidação da queda.

Corais solitários no Mediterrâneo

Existem várias espécies de corais solitários no Mediterrâneo com nomes particularmente evocativos, como o coral amarelo do bonito nome do botão dourado, os dentes dos porcos (espécies Balanophyllia) ou dentes de cães (espécie Caryophyllia). Vivem fixados nas rochas da superfície a quase 1000 metros para algumas espécies. De alguns centímetros de diâmetro a 2 a 4 centímetros de altura, alguns como os Dent de cochons têm os seus tentáculos bastante curtos, enquanto os corais Dentes de cães são reconhecíveis pelos seus longos e numerosos tentáculos terminados por um pequeno botão que incha e esvazia.

Corais construtores de recifes

No Mediterrâneo, existem corais duros semelhantes aos construtores de recifes tropicais: cladocores que são encontrados na forma de “batatas” que podem atingir cerca de 50 centímetros de diâmetro. A sua forma depende muito da profundidade em que está, brilho e correntes.

Corais macios

Há também corais macios (desprovidos de esqueleto calcário) que podem ser confundidos com animais marinhos. Alguns são coloniais e formam tapetes espalhados pelas rochas, enquanto outros são solitários.

Saiba mais: 

Como é que os corais se reproduzem?
Confirmado
Por que o coral torna-se branco?
Principiante
Que soluções para salvar os corais?
Principiante
O que faz o Mónaco pelo coral?
Confirmado
Qual é o papel do coral?
Confirmado
O que é uma Área Marinha Protegida?
Confirmado
O que é coral?
Principiante