Consumo sustentável

guia para respeitar o oceano

Bem gerido, o Oceano pode desempenhar um papel importante na oferta alimentar mundial, especialmente através do aumento da produção de aquicultura e, em menor medida, da produção tradicional de captura de pesca.

Consumir de forma sustentável não só protegerá o Oceano e os seus recursos, mas também melhorará a sua resiliência às alterações climáticas e a perda da sua biodiversidade.

... para salvar o nosso Planeta, para mudar um sistema que o destrói pouco a pouco, teremos precisa de todas as ideias, todas as vontades, todos os meios que podem ser mobilizados. Teremos de multiplicar as iniciativas, das mais confidenciais às mais globais, das mais clássicas às mais inovadoras. E precisamos fazer tudo o que pudermos para convencer este mundo a mudar connosco. Este é o nosso destino hoje, o destino das nossas gerações: enfrentar estes problemas de frente, salvar este Planeta antes que seja tarde demais. Essa é a nossa responsabilidade e é por isso que estamos aqui.

S.A.S. le Prince Albert II de Monaco, Düsseldorf, janvier 2017
Consommation durable 2

Porque é que o consumo de peixe está no centro das questões de desenvolvimento sustentável?

De importância crucial para uma grande parte da humanidade, o peixe fornece 17% das proteínas animais consumidas no mundo (7% de todas as proteínas combinadas, vegetais e animais), proporciona 60 milhões de empregos diretos no sector primário das pescas e da aquicultura (respectivamente 40 e 20 milhões de empregos), e cria um valor total na primeira venda de quase 400 mil milhões de dólares.

Mais de 3 mil milhões de pessoas dependem da biodiversidade marinha e costeira para se sustentarem.

Peixe e frutos do mar

O termo “Peixe” abrange uma vasta gama de organismos vivos em água doce e salgada, peixes, claro, mas também crustáceos, moluscos e outros animais aquáticos; é esta definição que se mantém aqui; este termo exclui algas, plantas marinhas e mamíferos aquáticos.

As espécies marinhas consumidas pelo homem são de uma extraordinária e por vezes inesperada variedade, peixes ósseos, raias, tubarões, caranguejos, camarões, lagostas, moluscos cefalópodes, bivalves ou gastrópodes, ouriços-do-mar, pepinos, ascidianos (roxos), mas também estrelas-do-mar, anêmonas e medusas!

Poissons sur un étal

Estamos a consumir "mais" ou "menos" de peixe do que antes?

Cada “terráqueo” consome hoje, em média, 20,5 kg de peixe por ano, com fortes disparidades regionais. A Malásia e o Japão lideram (quase 60 kg e 47 kg/habitante/ano, respectivamente), a União Europeia (UE-28) está próxima da média mundial, com cerca de 24 kg *.

Em meio século, o consumo explodiu (foi apenas 9 kg em 1960!)! Esta é a consequência do efeito transversal do aumento da oferta (através da pesca e da aquicultura), da procura global ligada à demografia e ao aumento dos rendimentos, mas também do progresso técnico que permite a redução dos resíduos, em particular à refrigeração dos produtos, à melhor utilização dos recursos e à melhoria dos canais de distribuição.

Estima-se que em 2018 a produção global terá atingido 179 milhões de toneladas*, das quais quase 90% (156 milhões de toneladas) destinadas ao consumo humano direto; o resto (22 milhões) sendo dedicadas a utilizações não alimentares (farinha de peixe e óleo), principalmente pecuária. Os números são eminentemente claros, desde a década de 1990, as capturas no mar estagnaram e permanecem a um planalto inferior a 100 milhões de toneladas, em contraste com a produção por aquicultura expansão total.

Continuaremos a consumi-lo nas próximas décadas?

A tendência para os próximos anos é mesmo para cima, com 200 milhões de toneladas previstas para 2030! A aquicultura continuará o progresso iniciado na década de 1980, uma vez que proporcionará 59% do consumo total de peixe!

Como sabemos hoje, o Oceano e os seus recursos necessários para as atividades de pesca e aquicultura não são infinitos (que é o que temos vindo a acreditar há décadas) e os efeitos da pesca têm um forte impacto nos ecossistemas. A comunidade internacional compreendeu isto e os riscos são: É colossal. As pescas sustentáveis e a aquicultura estão agora, mais do que nunca, no centro das estratégias de desenvolvimento. O trabalho é titânico.

Qual é o estado dos recursos marinhos?

No geral, estão em muito mau estado. Globalmente, 34% dos recursos haliêuticos são agora explorados de forma insustentável. 66% são considerados operados de forma sustentável (no rendimento máximo ou sub-explorado). Este último valor é enganador, a proporção de recursos haliêuticos “explorados” a níveis biologicamente sustentáveis foi de 90% há quarenta anos!

Como resultado da sobrepesca, a margem de manobra está a diminuir de ano para ano. Capturas no mar estagnaram por quarenta anos. Mesmo aumentando o esforço de pesca, o Oceano não é capaz de oferecer mais.

Se pensarmos em termos de quantidades desembarcadas e deixarmos de ‘stocks’, quase 80% (78,7% exatamente) das capturas provêm de stocks biologicamente sustentáveis. 2 kg de peixe em 10 por conseguinte, continuam a ser stocks biologicamente insustentáveis.

Ao consumir frutos do mar de pesca e aquicultura insustentáveis, nós contribuir para a perda de biodiversidade

Ao enfraquecer as populações da espécie procurada e também causar danos colaterais a um grande número de ecossistemas, a pesca e as más práticas contribuem para a perda (o próprio colapso) da biodiversidade. Esta é uma das conclusões do mais recente relatório da Plataforma Intergovernamental IPBES*. Cerca de um milhão de espécies animais e vegetais estão ameaçadas de extinção, especialmente nas próximas décadas, o que nunca tinha acontecido antes na história da humanidade.

Para os ecossistemas terrestres e aquáticos de água doce, “a exploração direta de certos organismos e recursos” é um dos cinco motores diretos da perda de biodiversidade, por trás das “mudanças de utilização (da terra e do mar)”, antes das “alterações climáticas”, da “poluição” e das “espécies exóticas invasoras (espécies invasoras)”.

Os impactos da pesca e das más práticas nos ecossistemas e nas espécies marinhas são muitos e variados, e todos nós contribuímos para eles sem sequer saber! Muitas das populações animais visadas pela pesca estão a ficar mais pobres e não são necessariamente reabastecidas mesmo quando a pesca é interrompida de uma vez por todas. Desaparecem, pura e simplesmente
simplesmente.

O bacalhau ou o bacalhau (Gadus morhua), que alimentou gerações de seres humanos, nunca regressaram à Terra Nova. O seu desaparecimento mudou tanto o ecossistema que não conseguiu recebê-lo novamente. A história pode repetir-se para muitas espécies e o ponto de não retorno cruzou-se novamente.

Predadores do alto mar, espadarte, marlins, tubarões, atum, apreciados pela sua carne e barbatanas, desaparecem do Oceano. Os tubarões oceânicos (Carcharhinus longimanus) ou makos (Isurus oxyrhinchus e I. paucus) estão a tornar-se muito raros. O tubarão-anjo, outrora tão abundante na costa da Côte d’Azur, e que deu o seu nome à Baía dos Anjos, quase desapareceu do Mediterrâneo. O tubarão branco, os raios de guitarra seguem os seus passos! No entanto, estes predadores desempenham um papel importante na regulação dos ecossistemas! O seu desaparecimento está a começar a levar, como sabemos, a efeitos de acrobacias*.

pêche poissons

Quais são as soluções?

As soluções para conciliar as nossas necessidades e a preservação do Oceano requerem um consumo responsável (sustentável) dos recursos do planeta e, claro, da marinha. Mas o que é exatamente um marisco sustentável?

A “sustentabilidade” abrange múltiplos e complexos aspetos, de natureza ambiental, sanitária, económica, social, ética e cultural, uma complexidade que constitui um obstáculo à compreensão adequada das questões e à tomada de decisões e que exige orientar o cidadão e o decisor nas suas escolhas!

Os cientistas ainda estão a trabalhar na definição de critérios de sustentabilidade, levando-os a propor um resumo detalhado sobre as dimensões, critérios e indicadores das frotas de pesca francesas.

Ao longo das diferentes fases da sua cadeia de valor (também conhecida como o “ciclo de vida”), produção (por captura ou criação) ao consumo e eliminação/reciclagem, através de processamento, transporte, distribuição, o peixe que consumimos gera impactos em o ambiente. O conceito de sustentabilidade está ligado à natureza e intensidade destes impactos estudados cientistas, mas também aos critérios de aceitabilidade adotados pela sociedade.

Para avaliar a sustentabilidade de cada ligação na cadeia de valor   e no produto final, é necessário poder confiar num sistema de referência que, schematicamente, assume a forma do “retrato robô de peixes sustentáveis”.

Retrato robô de peixe sustentável

O peixe sustentável ideal é aquele que (sem que esta lista seja exaustiva):

  • Preserva o recurso (stocks/populações) e a integridade do meio marinho (qualidade da água, habitats, funcionamento dos ecossistemas),
  • Não participa na pesca ilegal,
  • Não polui e evita o desperdício de recursos (água, energia, matérias-primas), que faz parte de uma dinâmica de economia circular e participa na Economia Azul,
  • Limita as emissões de gases com efeito de estufa e não contribui para as alterações climáticas (os curto-circuitos são uma boa solução),
  • Garante um rendimento decente e justo para os trabalhadores e intervenientes no sector, respeita a dignidade das pessoas, naturalmente não recorre às formas modernas de escravatura, respeita as comunidades costeiras,
  • Assegura o bem-estar dos peixes ou fá-los sofrer o menos possível (nos recintos de reprodução, manipulações, abate),
  • É saudável e nutritivo, tem boas qualidades organolépticas,
  • Fornece informações fiáveis que “traçam” o produto (diz ao consumidor o que come exatamente, a sua origem, o seu método de produção), desenvolve a relação de confiança entre os diferentes níveis (produtor, peixeiro, distribuidores, transformadores, vendedor, restaurador, comprador, consumidor)
Mérou brun M.Dagnino

Saiba mais

- Coral, um tesouro para preservar

Este livro oferece uma visão geral do conhecimento atual na companhia daqueles em todo o mundo que trabalham para entender melhor estas joias e estão empenhados em preservá-las.

- Imersão, mergulhe na Grande Barreira de Coral

Com “Imersão”, o Museu Oceanográfico do Mónaco oferece um mergulho virtual e interativo na Grande Barreira de Coral, para atender às espécies emblemáticas que a habitam, e à megafauna.

- Corais fluorescentes

Pintando com tons quase irreais, no Museu Oceanográfico, os visitantes podem descobrir e desfrutar deste espetáculo raro.