Menu
Emissão de bilhetes

O garou esmúleiro marrom desaparecerá?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

De volta às nossas costas depois de 30 anos de esforço

Um ícone para muitos mergulhadores, tanto pelo seu tamanho (é um dos maiores peixes ósseos do Mediterrâneo) como pela sua raridade, o garoupa marrom Epinephelus marginatus quase desapareceu após décadas de sobrepesca e caça furtiva. Graças a fortes medidas de proteção, regressa em vigor nas águas do Mediterrâneo francês e monegasco, especialmente nas áreas protegidas, fazendo com que o caminhante subaquático admire o seu comportamento único e majestoso. Observá-lo enquanto mergulhamos é um momento privilegiado e mágico, uma memória que temos em mente há muito tempo! O regresso do garoupo não é o resultado do acaso, mas sim o resultado de 30 anos de esforços, um exemplo que nos deve inspirar a proteger melhor as espécies ameaçadas no Mediterrâneo! Explicações…

Homem ou mulher? Os dois! Um pouco de biologia...

O garouco marrom vive entre a superfície e 50 a 200 m de profundidade, tanto no Oceano Atlântico (da costa marroquina à Bretanha) como em todo o Mediterrâneo. Também é encontrado ao largo da costa do Brasil e da África do Sul, mas os investigadores questionam se se trata de uma população homogénea ou de subpopulações separadas. O mistério permanece hoje!

Enzo le petit mérou brun de Méditerranée relaché

Aprecia habitats rochosos costeiros ricos em fendas e cavidades. Os juvenis, mais costeiros, são por vezes observados em alguns centímetros de água. O seu tamanho varia entre 80 cm e 1 m ou mesmo 1,5 m para os maiores indivíduos.

O garoupa muda de sexo durante a sua vida: “Hermafrodite protogyne”, é primeiro fêmea e depois torna-se homem quando atinge os 60 a 70 cm, com idades entre os 10 e os 14 anos.

Regulador e indicador do estado do ambiente marinho

Super predador localizado no topo da cadeia alimentar, o garoupo caça as suas presas (cefalópodes, crustáceos, peixes) em níveis tróteis mais baixos, desempenhando assim o papel de regulador e contribuindo para o equilíbrio do ecossistema. É também um indicador da qualidade do ambiente. A abundância de garoupa reflete o bom estado da cadeia alimentar que a precede, a presença de alimentos ricos e a expressão de caça moderada e pressão de pesca. Devido ao seu elevado valor comercial, o garouin castanho continua a ser muito procurado por pescadores e caçadores subaquáticos em toda a sua área de distribuição. O seu número está em forte declínio, é classificado pela União Internacional para a Conservação da Natureza na categoria de espécies vulneráveis.

Sabia que?

8 espécies de garoupos estão presentes no Mediterrâneo. Entre as 6 espécies observadas no Mónaco, o garoupo castanho Epinephelus marginatus é o mais comum, então vem o impressionante toque, ainda chamado de wreck grouper Polyprion americanus. O garoupinho canino Epinephelus caninus, o badèche Epinephelus costae, o garoupinho branco Epinephelus aeneus, o garouga real Mycteroperca rubra são muito mais discretos.

A proteção do garou, funciona!

A escassez deste peixe levou a França e o Principado do Mónaco a adotar, no âmbito de convenções internacionais (Berna, Barcelona), medidas de proteção fortes. A moratória estabelecida na França continental e na Córsega desde 1993 proíbe a caça submarina e a pesca de anzóis. Estudos de campo mostram a eficácia destas medidas de proteção: os jovens garou pessoas estão agora presentes em todas as costas, nas reservas marinhas as populações recuperaram. Mas este regresso continua muito frágil. A moratória deve ser revista de 10 em 10 anos. O futuro do garoupar será, portanto, decidido em 2023. Se a caça fosse permitida de novo, mais de 30 anos de esforço poderiam ser eliminados em questão de semanas!

No Mónaco, a Portaria Soberana de 1993, reforçada pelaPortaria de 2011, proíbe toda a pesca e assegura a proteção do garoupa marrom, bem como do corb, outra espécie vulnerável. Graças a esta proteção específica, a Reserva Larvotto, bem como a presença de habitats muito adequados e alimentos abundantes, o garoupador marrom abunda novamente nas águas do Principado do Mónaco, especialmente aos pés do Museu Oceanográfico.

Sabia que?

Porque é que os garouinhos castanhos ainda são encontrados nas bancas dos peixeiros? Muito simplesmente porque a utilização da rede para os capturar continua a ser permitida. Os espécimes importados de zonas não regulamentadas podem igualmente ser colocados à venda. Cabe-nos a nós, consumidores, evitar comprar espécies ameaçadas!

O principado com pouco cuidado para os garoupinhos

Desde 1993, sob a supervisão da Direção do Ambiente, a Associação Monegasca para a Proteção da Natureza,assistida pelo Grupo d’Etude du Mérou,tem vindo a realizar um inventário regular de agrupamentos em águas monegascas, desde a superfície até uma profundidade de 40 metros, com a qual mergulhadores do Museu Oceanográfico se associam naturalmente. De ano para ano, os números observados aumentaram (15 indivíduos em 1993, 12 em 1998, 83 em 2006, 105 em 2009, 75 em 2012). Grandes espécimes de 1,40 m são agora numerosos e juvenis de todos os tamanhos são observados nas águas rasas.

O museu oceanográfico também está a ficar molhado...

O Museu vem também resgatar espécimes em dificuldade que lhe foram confiados por pescadores ou mergulhadores, como foi o caso no final de 2018, com vários indivíduos que sofrem de uma infeção viral, já observados no passado várias vezes no Mediterrâneo em Creta, Líbia, Malta e Córsega. Com o Centro Monegasco para o Cuidado das Espécies Marinhas criado em 2019 para tratar tartarugas e outras espécies, estas intervenções são agora facilitadas. Os garoupas puros regressam ao mar para estarem em áreas protegidas, como a Reserva Subaquática larvotto. Encontre o vídeo do lançamento do jovem garoudeiro “Enzo”.

O merou, estrela de sempre no aquário

Muitos visitantes descobrem esta espécie patrimonial no Museu Oceanográfico. Isto não é novo, uma vez que o Aquário, então dirigido pelo Doutor Miroslav Oxner já o apresentou em 1920! Um deles, agora nas coleções do Museu, viveu lá por mais de 29 anos. 4 espécies diferentes (badèche, marrom, branco e garoupo real) são agora visíveis na parte dedicada ao Mediterrâneo totalmente renovada.
Se o garoupieiro intriga os visitantes, também inspira artistas! Muitos objetos com a sua efígie, obras de arte ou objetos fabricados, estão nas coleções do Instituto Oceanográfico!
Em 2010, um garoupante do Museu serviu de modelo para a realização da nota de 100 Reais emitida pelo Banco Central do Brasil, ainda hoje em circulação, e o Principado até lhe dedicou um selo postal em 2018!

Um trunfo da economia azul, do turismo e da pesca...

Os turistas de mergulho vêm de longe para observar a fauna subaquática e um mergulho “bem sucedido” é frequentemente aquele durante o qual o garou esmerado marrom foi observado! Vários estudos mostram que um garou etário vivo traz, durante a sua existência, infinitamente mais dinheiro do que se for capturado para ser consumido!
O garoupar marrom prospera particularmente em áreas marinhas protegidas (PMA) que, quando geridas eficazmente, proporcionam benefícios significativos para a conservação da biodiversidade e desenvolvimento económico. Protegendo e restaurando habitats críticos (vias aéreas, refúgios de predadores, locais de desova, áreas em crescimento), as PMA contribuem para a sobrevivência de espécies sensíveis como o garoupo castanho. Adultos e larvas de diferentes espécies que vivem dentro de uma MPA também podem deixá-lo e colonizar outras áreas, este é o Derrame. Quando os ovos e larvas produzidos na mpa deriva para fora, é chamado dispersão. Espécies com elevado valor de mercado (garoupo castanho, lagosta, coral vermelho) percorrem assim distâncias consideráveis, proporcionando benefícios ecológicos e económicos em áreas remotas! Os garoupares castanhos adultos desviam-se um quilómetro fora dos limites da MPA. As larvas, entretanto, viajam várias centenas de matadores!

O que faz o Mónaco pelo coral?
Confirmado
Que tartarugas marinhas no Mediterrâneo?
Confirmado
Há baleias no Mediterrâneo?
Confirmado